Depois de duas semanas de provas retornamos aos encontro sobre Terapias Naturais na UNIP. No encontro do dia 9 de outubro 2012, em um primeiro momento, batemos papo livre para reunir o grupo e fazer uma avaliação sobre como foram para todos essas duas semanas. Após, conversamos sobre a experiência de tomar o Floral do Aprendizado. Lembramos que essa composição do Floral de Bach não é especificamente para esse único objetivo, mas atende a alguns outros, como a impaciência e a distração, que culminam na melhora do aprendizado.

Essa multiplicidade da ação desse remédio natural a base de flores preencheu a maior parte do bate-papo. Os destaques na conversa foram sobre como floral auxiliou uma colega a pedir demissão do trabalho que não a satisfazia e ao mesmo a resolver pendências em casa (verificamos aqui a ação das essências Chestnut Bud e Crab Apple, na minha opinião – pois o Floral não é algo objetivo e direto, ele atua na complexidade da alma humana). Outros comentários disseram sobre a calma e tranquilidade que o Floral passou para a execução das provas (Impatiens). Um dos comentários mais interessantes foi sobre a incapacidade de “viajar” mentalmente ao tomar o Floral (Clematis): uma pessoa do grupo usa as suas viagens mentais como uma ferramenta para memorizar os conteúdos de estudo e, como a essência Clematis proporciona um pensar mais “pé no chão” sem que a mente se distraia por pensamentos que levam a outros e a outros perdendo o foco inicial, a pessoa ficou sem a ferramenta preferiu não tomar o floral. Porém, ela comentou sobre esse efeito poder ter sido gerado de uma auto-sugestão, pois foi dito que o Floral ajudaria nesse aspecto. Todas as outras pessoas viram vantagens em ter um mente mais prática e focada no estudo.

Floral do Aprendizado (Floral de Bach):

  • Impatiens,
  •  Crab Apple,
  • Chestnut Bud,
  • Cherry Plum e
  • Clematis.

Essas flores atuam respectivamente no bloqueios emocionais ligados a:

  • Impaciência,
  • Distração com o que o não nos serve,
  • Repetir padrões negativos,
  • Não conseguir controlar a mente e
  • Não conseguir manter os pés no chão.